Fotos

Seu filho tem medo? Que fatores podem vir a originar medo e insegurança em crianças? Por Ronize Ferreira

Que fatores podem vir a originar medo e insegurança em crianças?

Ao descrevermos as crianças o que é seguro e o que vem a ser perigoso, estamos  transmitindo o conceito de medo, pois ao nascer a criança não possui tal conceito, então através das reações dos adultos ela percebe o mundo como seguro ou assustador. Assim diversos são os fatores que podem ser responsáveis pelo medo e insegurança entre eles pode-se destacar os medos e inseguranças dos próprios pais ou de pessoas que convivem com a criança, as estórias que escutam sobre monstros ou de crianças que são abandonadas pelos pais, as conversas que ouvem à sua volta ou assistem na televisão e não entendem do que se trata e não tem o conteúdo devidamente esclarecido, ou por não sentir confiança no ambiente para perguntar ou por perguntar e ter respostas evasivas e não verdadeiras às suas dúvidas, pois isto facilita que as crianças fantasiem e sintam medo.

Os medos excessivos e sem motivos aparentes podem denunciar situações conflituosas no lar que transmitem a sensação de insegurança à criança, como por exemplo: abuso, alcoolismo ou dependência química na família, brigas, agressões, ameaça de separação, discussão sobre problemas financeiros, doenças na família, etc. A falta de estrutura familiar, ou seja, uma família que não proporcione um sentimento adequado de proteção, pode fazer com que a criança sinta-se insegura, quando a família está com problemas a criança necessita ouvir dos pais que eles a amam e que nunca a abandonarão seja qual for a situação, que estarão sempre unidos. A insegurança e o medo também pode ter origem em fatos vivenciados em outros locais frequentados pela criança como a escola, a casa de amigos ou parentes etc… é importante estar sempre atento.

Um outro fator é a falta de esclarecimento a respeito das perdas que pode ter na infância como o divórcio dos pais, a morte de um ente querido, a mudança de escola, de cidade, etc. O fato dos pais saírem de casa sem avisar a criança acarreta no medo de ficar sozinho. Pais ausentes, desatentos com seu filho, inseguros, ansiosos ou pouco carinhosos também inspiram falta de confiança.

É impossível evitar sustos, ansiedade e temores durante a infância, pois as infecções, as vacinas, o tratamento dentário e as tempestades, por exemplo, são fatos da vida da criança, apenas podemos minimizar o temor e o sofrimento com a compreensão e o esclarecimento adequado à situação.

Quais as manifestações mais comuns nesses casos?

A criança quando não consegue expressar o que sente por palavras manifesta sua insegurança através de uma mudança no comportamento, ela pode voltar a ter comportamentos infantilizados que não correspondem a sua idade cronológica, por exemplo, passar a fazer xixi na cama quando já abandonou esse hábito, dirigir-se ao quarto dos pais durante a noite, “grudar-se” aos pais em determinadas situações, geralmente em situações novas e desconhecidas para ela; pode também ter dificuldade de fazer e manter relacionamentos, bem como dificuldades acadêmicas. As crianças possuem muito mais medos do que nos apresentam, pois na nossa sociedade medo é sinônimo de covardia, assim elas aprendem a esconder o que sentem para agradar aos pais ou para não assustá-los, durante as sessões psicológicas é grande a quantidade de medos que afloram mesmo quando o motivo do tratamento é outro qualquer.

Falando do medo e insegurança nas seguintes situações: contato com outras crianças; escola; contato com adultos estranhos a família.

É fundamental que as crianças tenham preparo adequado no ambiente familiar para que obtenham sucesso nas suas demais relações, ou seja, que possam sentir-se confiantes e felizes no contato com outras pessoas. Crianças bem esclarecidas pelos pais e com suas habilidades reforçadas positivamente apresentam maior potencial para sentir-se bem em qualquer ambiente. A criança deve acreditar que é boa e que as outras pessoas também são, seu comportamento positivo deve ser sempre elogiado como fazendo parte dela, ou seja, “você é inteligente”, “é bonito ser prestativo como você”, “você é esforçado, carinhoso, caprichoso etc e quando é necessário corrigir um comportamento inadequado devemos usar: “você agiu com um comportamento ruim ou você agiu com falta de educação, logo você que é uma criança tão gentil e educada”.

Os pais podem assegurar a criança que no colégio encontrará pessoas bondosas e que gostam dela porque ela é uma criança muito legal… conhecer a escola uma semana antes do início das aulas, ajuda para que a criança tenha um primeiro contato saudável com as outras crianças e com os professores. Quando a criança se tornar mais independente ela pode passar o dia na casa de um parente ou de um coleguinha, isto é benéfico para a integração social, pois terá que solucionar suas necessidades sem o auxílio dos pais, tornando-se cada vez mais confiante em seu desempenho, mesmo na ausência dos mesmos.

images

É comum medo de animais? Em caso positivo esclareça o motivo

O medo de animais aparece na minoria das crianças, pois normalmente elas adoram e se identificam com eles, especialmente os de estimação, porém acontece e geralmente é manifestado por filhos de pessoas que apresentam o mesmo medo, pois a criança diverte-se com o animal (manso) até que alguém lhe diga que é perigoso e desperte nela o medo de ser atacada sem motivo, as vezes os pais amedrontam a criança simplesmente porque não querem que ela brinque com o animal para não sujar sua roupa, ou para que a criança fique quieta, sem saber que intimidar a criança com ameaças irreais, gera um medo imaginário, que é muito assustador para a criança e traz consequências dolorosas e desagradáveis, pois limita sua participação no mundo.

Mesmo que ocorra um incidente provocando pelo contato com o animal como um arranhão ou uma mordida leve, os pais não devem tumultuar ainda mais a situação demonstrando-se apavorados, deve-se agir com ponderação e ensinar a criança como brincar com o animal da próxima vez (com suavidade, sem machucá-lo ou prendê-lo ao colo, etc.), sem dar ênfase ao perigo do contato com animais. (É claro que se for animal realmente perigoso devemos proteger a criança). Se a criança já apresenta o medo, ela não deve ser obrigada a tocar o animar, deve ser favorecida uma aproximação gradual, onde cada progresso seja comentado e elogiado, outro erro comum nesse caso é diminuir a criança falando que o amiguinho que é menor e não possui tal medo, pois já é muito sofrido não poder ser mais forte que o próprio medo e diminuir sua auto-estima só irá atrapalhar.

O medo de animais também pode ter sua fonte em associações que a criança fez entre um determinado animal e um conteúdo de sua fantasia, que lhe traz a sensação de insegurança.

Porque muitas crianças tem medo de dormir sozinhas e medo da escuridão?

Só podemos detectar o que realmente está causando o medo ao fazermos um estudo detalhando da história da criança e observa-la atentamente e com o auxílio de técnicas psicológicas adequadas, porem geralmente quando a criança passa a dormir em um quarto separado de seus pais, estes costumam deixar uma luz acesa e visitar o quanto diversas vezes a noite para verificar se está tudo bem, acabam transmitindo a criança que o escuro é perigoso, pois ela transfere o medo real de seus pais (por estar descoberta, com um problema de saúde ou quase caindo da cama, por exemplo) para um medo seu imaginário, pois desconhece tais preocupações físicas, então fantasia o perigo de acordo com o que conhece como conceito de medo como bruxas e monstros, passa então a sentir-se segura apenas quando há claridade, pois na presença da luz verifica a inexistência de tais inimigos, acaba por associar luz a segurança.

A própria “escuridão” pode ser geradora de medo justamente por propiciar a fantasia pela falta do som e da luz, mas o medo de dormir sozinho pode estar ligado a diversos fatores, como sentimento de culpa, experiências traumáticas (ser trancado por um amiguinho ou pela babá no escuro, por exemplo) ou simplesmente o desejo de estar mais perto dos pais.

E as crianças que acordam no meio da noite e vão direto para a cama dos pais, como proceder neste caso?

É importante ouvir a criança atentamente, observa-la a fim de perceber e esclarecer a ela o que está ocorrendo, quando então os pais devem assegurar-lhe que não há o que temer, por exemplo, se detectam que o medo é de ladrão transmitir que estão em segurança, pois a casa está bem fechada ou o prédio possui vigia e etc, e com segurança e carinho conduzi-la a seu próprio quarto, não devem dormir junto com a criança para não acostuma-la a depender da sua presença para sentir-se segura, podem combinar também de comprar um abajur ou uma lanterninha que ela mesma possa manipular ou um objeto macio para lhe fazer companhia enquanto o sono não vem.

É importante distinguir se a criança possui medo de um fator real ou de algo que não existe e afirmar sempre que “bicho-papão”, “homem do saco” e etc só existem em personagens de estórias e na televisão, que é exatamente quando se fantasia para um teatro no colégio ou no carnaval, ou seja, continua a ser ela mesma, porem com uma roupa diferente.

Quais as influências da televisão no medo e insegurança infantil?

A produção de sentimentos de medo (sentimentos de vítima) é considerada umas das principais consequências da exposição da criança à televisão, pois através da TV a criança tem muito mais contato com o crime e a violência, do que está exposta na realidade. Quanto maior a estruturação do lar, a idade da criança e os bons exemplos com quem convive, menor será o impacto da televisão, os pais tem que estar atentos para saberem o quanto e como seus filhos estão entendendo o que está imposto e podem evitar que assistam situações as quais sentem que não estão preparados, pois a impressão do filme a “branca de neve”, por exemplo, será completamente diferente para uma criança de três anos, que ficará assustada e para uma de sete anos, que por sua vez ficará encantada, sem falar nas diferenças individuais e na programação que está a nossa disposição.

É fundamental que os pais supervisionem o que os filhos assistem na TV, apresentem a eles os programas educativos e filmes com boas mensagens e sempre que possível participem desta atividade com a criança e aproveitem esse momento para colocar sua opinião, suas reflexões e seus valores morais sobre o que estão assistindo. Vale ressaltar que a criança deve ter seu tempo distribuído de maneira que as atividades mais saudáveis façam parte de sua vida, como fazer esportes, andar de bicicleta, brincar ao ar livre, com animais, com os pais e com outras crianças.

O que deve ser feito para que a criança tenha um dia tranquilo e um bom sono?

A família deve proporcionar uma rotina que transmita segurança à criança, sem excessos de atividades e sem “correrias”, onde haja afeto verdadeiro entre todos os membros. Um bom sono também é mantido por uma alimentação saudável rica em frutas, legumes, verduras e proteínas, evitando-se comidas e bebidas excitantes do sistema nervoso próximo ao horário de dormir, bem como brincadeiras muito estimulantes.

Brincar uma hora por dia com os filhos e contar-lhes estórias na hora de dormir traz inúmeros benefícios, eu estou a 17 anos falando isso para os pais, pois este é um caminho para a proximidade e intimidade entre pais e filhos por toda a vida.

Como os pais devem lidar com este tipo de problema?

Todos sentimos medo e muitas vezes é ele que garante a nossa segurança, porém o medo é considerado normal quando o perigo é real, como o medo de fogo, de dirigir depois de ingerir álcool ou de ir para o fundo do mar ou deixar uma criança atravessar uma avenida movimentada sozinha, o medo torna-se um problema quando é imaginário e provocam sensações reais que impedem a realização de atividades normais, como o medo de brincar com um cachorro conhecido e manso, dormir sozinho, dormir no escuro e ir ao banheiro ou a cozinha à noite. Deve ser verificado se ocorreu alguma situação traumática “para a criança”, pois muitas vezes o que é considerado banal para um adulto, pode ser um bloqueio emocional para a criança devido a sua fragilidade. Todos os medos da criança precisam ser reconhecidos, respeitados e aceitos, apenas quando o temor puder ser encarado abertamente é que a criança poderá ganhar força para lidar com um mundo que as vezes lhe é ameaçador.

É necessário ter muito cuidado com o que se diz diante da criança, evitar falar de problemas de adulto na frente dela, mesmo que aparentemente não esteja prestando atenção, ela capta facilmente as dificuldades dos pais e teme pelo seu bem estar, transferindo essa sensação de medo por motivos reais, para circunstanciais imaginárias.

Os pais devem resolver seus próprios medos para não transmiti-los a seus filhos e não passar preocupações desnecessárias aos pequenos, como por exemplo, que “papai do céu” está brigando quando há barulho de trovoada, no lugar disto deve-se falar apenas que é um aviso ou que papai do céu está avisando que vai chover. Devem lidar com a situação com afeto, carinho e segurança, ouvindo atentamente a criança a fim de detectar o que exatamente à está assustando, e esclarecendo a ela com palavras simples e verdadeiras porque exatamente não há o que temer, transmitir segurança faz com que a criança sinta que pode superar o perigo.

O medo só é diminuído quando a situação temida é enfrentada pouco a pouco. Se o medo persistir, tomar forma de pânico ou fobia ou os pais ficarem inseguros para lidar sozinhos com a situação devem consultar um psicólogo.

 

Ronize Patricia Silva Ferreira

Psicóloga – CRP 12/02648

Psicoterapeuta Infantil

http://www.clinicarenove.com/

Post anterior

Livro infantil sobre adoção: Somos um do outro, Todd Parr, Panda Books

Próximo post

Projeto de Apadrinhamento Afetivo desenvolvido pelo Laboratório de Estudos da Violência e Vulnerabilidade Social (LEVV) do curso de Psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie – UPM

Gravidez Invisível

Gravidez Invisível

1 Comentário

  1. maio 23, 2017 em 2:59 pm — Responder

    Adorei o site, meus parabens!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *