Processo de adoção

O que é apadrinhamento afetivo? Como apadrinhar uma criança?

Apadrinhamento afetivo é diferente de adoção!

Então qual é a missão do Padrinho Afetivo e da Madrinha Afetiva?

O objetivo da ação é levar mais consciência da vida real e social para as crianças e adolescentes que vivem em lares de adoção. – Gazeta Web.

Esta modalidade é oferecida à crianças e adolescentes que vivem em abrigos e que tem poucas chances de serem adotadas, como por exemplo grupo de irmãos ou com doenças mais graves, não tratáveis. Quanto mais o tempo passa mais difícil fica para estas crianças serem adotadas, especialmente os adolescentes.

Foto: www.afromum.com

Foto: www.afromum.com

O Apadrinhamento Afetivo é uma forma desta criança ou adolescente que vive num abrigo ter um suporte emocional e de fato um padrinho e/ou madrinha. Dá à ela a oportunidade de fazer passeios fora da casa de acolhimento, ter auxílio com tarefas da escola, participação nos eventos escolares, ter acompanhante nos dias de consultas médicas e passar finais de semanas e férias com estas pessoas que escolheram ser seus padrinhos, mas sem o vínculo jurídico de adoção como pai e mãe.

Também é uma maneira prática para que a criança ou adolescente possa conhecer como funciona a vida em família, vivenciando situações cotidianas, participando de aniversários e outras datas comemorativas com a família do(s) padrinho(s) afetivos. Ter o exemplo de como é ter uma vida profissional e ser direcionado para uma formação profissional e incentivado na educação.

Requesitos para o apadrinhamento:

  1. Disponibilidade de tempo para participar da vida do afilhado
  2. Ter mais de 21 anos
  3. Ser 16 anos mais velho do que o afilhado
  4. Participar das reuniões da equipe técnica responsável pelo projeto
  5. Apresentar a documentação solicitada
  6. Permitir visitas técnicas
  7. Respeitar as regras do projeto e abrigo

Saiba mais informações aqui: http://www.padrinhonota10.com.br/

Você já apadrinha alguém? Conta pra gente a sua experiência!

Escreva para luciane@gravidezinvisivel.com

Com carinho,

Luciane

 

 

 

 

Post anterior

"Eis que toca meu telefone... Era da vara da infância dizendo que meu filho havia nascido" - conheça a história de adoção da Ana Milione

Próximo post

Adoção e o amor de mãe - Ressignificando o AMOR para o filho

Gravidez Invisível

Gravidez Invisível

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *