Gestação do coração

MÃES POR ADOÇÃO por Gilmara Lupion Moreno

Muitas são as mulheres que optam, planejam, sonham em ser mãe.

A maioria delas realiza o desejo da maternidade pelo método natural, ou seja, concebem e carregam seu bebê no próprio ventre. Outras impossibilitadas de conceberem seus bebês recorrem ao auxílio da medicina que por meio de técnicas como a inseminação artificial, a fertilização in vitro geram seus filhos. Outras optam pela adoção e acolhem como filho uma criança concebida e gerada por outra mulher.

A “gestação” por adoção é um processo que, na maioria das vezes, ultrapassa os nove meses, o “pré-natal” se dá por meio de entrevistas com a psicóloga e com a assistente social, por ligações telefônicas para a Vara da Infância e da Juventude, por consultas ao Cadastro Nacional de Adoção, pela participação e preparação nos Grupos de Apoio à Adoção. Já, o “parto” por adoção acontece quando o dia tão sonhado acontece, o momento de conhecer o seu filho.  

Foto: www.adoptionmakesfamily.org

Foto: www.adoptionmakesfamily.org

A maternidade não é algo natural, constituída através do sangue ou dos genes, a relação de maternidade e de filiação, ocorre no dia-a-dia, na proximidade, no cuidado, no afeto, no vínculo que se constrói entre mãe e filho. Isto é, independente do método (natural, inseminação artificial, adoção) é preciso adotar os nossos filhos. Adotar significa assumir, aceitar, receber como filho, um ato de amor. Adotar significa cuidar, proteger, querer bem, amar.  

Já, ser mãe é voltar a ser criança, cantar e ouvir músicas infantis, contar e ouvir histórias, desenhar, pintar, correr, brincar, arriscar-se. Se mãe é olhar e ver um mundo cheio de formas, cores e movimento, piscina de bolinha, cama elástica, gira-gira, escorregador e labirinto. Ser mãe é, ao caminhar, parar para observar uma pedra, uma folha, uma flor, uma formiga. Ser mãe é olhar para o mundo de forma diferente. Mais doce, mais alegre, mais leve, mais pleno. Ser mãe é apaixonar-se pelo seu filho. É adotá-lo com o coração, seja ele da barriga ou não.

www.nhfamilylawblog.com

www.nhfamilylawblog.com

Como toda gestante, as “grávidas” por adoção vivem momentos de expectativa, de preocupação, de alegria, de insegurança, de lágrimas…

Entretanto, desejo a todas as mulheres que fizeram a opção pela maternidade biológica ou não, que recebam de coração aberto todas as homenagens que lhes conferem ao “Dia das Mães”, sendo a melhor delas a convivência com os seus filhos, pensando assim, somos homenageadas todos os dias. As mulheres que se encontram ‘grávidas’ por adoção permitam-se viver da melhor forma possível esse momento de espera, de preparação para a chegada do seu filho ou filha tão esperado. Sintam-se homenageadas, pois, carregam consigo o desejo de tornarem-se mães por adoção.  

Apesar do árduo caminho que é, hoje, adotar legalmente uma criança, no Brasil, espero que as mulheres que, por alguma razão, não conseguem engravidar, não abram mão do desejo de ser mãe, de ter um filho, uma filha, por preconceito e por falta de informação sobre esta forma de constituir uma família, a adoção, e de ser feliz, principalmente de fazer uma ou mais crianças felizes, garantindo-lhes o direito de ter uma família.

Gilmara Lupion Moreno

Professora universitária. Autora do livro “Desejo de ser mãe: vivendo a experiência da adoção”. Membro do Grupo de Apoio à Adoção Trilhas do Afeto.

Email: gilmaralupion@hotmail.com>

Post anterior

Fotografia & Afeto

Próximo post

Adoção & Cristianismo - falta de fé ou chamado?

Gilmara Lupion

Gilmara Lupion

Meu nome é Gilmara. Sou grata a Deus e aos meus pais (in memorian), pelo dom da vida, pelo amor incondicional. Sou londrinense, nasci e resido em Londrina-PR. Sou casada, vivi a experiência de encontrar o meu esposo através da fé e tenho certeza de que ele foi obra de Deus em minha vida. Sou mãe por adoção de uma menina carismática e de um menino simpático, ambos ‘guerreiros’, decididos a viver, amar e ser amados, também obra de Deus em minha vida. Sou membro do Grupo de Apoio à Adoção Trilhas do Afeto. Sou Pedagoga, Professora Universitária, trabalho com a formação de professores de crianças de zero a cinco anos, pois acredito que, assim como a família, a educação infantil é fundamental nesta etapa da vida - a infância.

Sem Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *