Depoimento do leitor

Adoção – Um ato de amor ou de capricho? Desabafo de um pai por Ramon Minarini

Adoção – Um ato de amor ou de capricho?

A adoção é um recurso que a sociedade organizada encontrou para recolocar crianças que por diversos motivos não podem mais conviver com suas famílias biológicas (Seja por morte, abandono, impedimentos jurídicos ou de saúde e até mesmo por violência).
Sendo assim, o processo de adoção legal visa única e exclusivamente o bem estar da criança, indicando-a para uma família que irá acolhe-la para garantir seu sustento e principalmente para AMÁ-LA e RESPEITÁ-LA.

Há alguns meses tive acesso ao formulário de preenchimento de Perfil para adoção. Nesse formulário os candidatos que desejam se tornar aptos à adoção de uma criança NO BRASIL determinam as características da(s) criança(s) que desejam adotar.
Dessa forma os juizados cruzam essas informações com as das crianças que já estão disponíveis no Cadastro Nacional de Adoção e indicam essas crianças às famílias que buscam aquele perfil.

O perfil existe para que o adotante descreva as características que deseja para o seu futuro FILHO – O SER HUMANO MAIS IMPORTANTE QUE ENTRARÁ NA SUA VIDA – e dessa maneira terá a chance de adotar uma ou mais crianças dentro das suas possibilidades FINANCEIRA e ESTRUTURAL.
Então é compreensível que no formulário de preenchimento de perfil você diga qual a faixa de idade que procura, se você tem a possibilidade de cuidar de uma criança com alguma limitação física ou mental, por exemplo.

Isso agiliza, humaniza e democratiza o processo. Ótimo!

Explicado isso, vamos ao centro da discussão.

– Por que diabos existe nesse formulário um campo que possibilita “escolher a cor” do nosso filho?!
– Por que diabos a cor da pele do meu filho vai interferir no meu amor por ele?!
– Como eu vou educar uma criança tendo que explicar à ela um dia que ela “deu sorte por ser branca”, senão eu não a adotaria?!
– Que tipo de mensagem estamos passando pra nossa sociedade com esse tipo de pensamento, onde cada cor cabe ou não num determinado lugar?!

Alguns podem dizer que tem racismo aí e num outro extremo MUITOS podem dizer (como me disseram) que eu estou muito exigente, que isso é só um “detalhe”, que as pessoas têm o direito de “escolher” o que querem e que isso é “normal”.

adoção

É triste ouvir que “Infelizmente a gente não pode fazer nada pra mudar isso né?!” Principalmente porque a gente ouve isso o tempo todo com relação a Corrupção no nosso país.

Vou lhe dizer uma coisa. Quando eu vou ao shopping, olho uma prateleira cheia de camisas com cores variadas, “escolho a cor que me agrada” e compro AQUELE OBJETO com o qual eu vou me mostrar para as pessoas, “com o qual eu vou me sentir confortável”.
Pois é assim que a gente trata uma criança quando preenche no formulário de adoção a “escolha da cor que me agrada”, “com a qual eu vou me sentir confortável”. Mesmo que eu não veja dessa forma, a verdade é que estou indo para a adoção preencher O MEU VAZIO e não o de uma criança que não tem nada.

A mensagem deixada é clara! EU NÃO CONSIGO AMAR UMA PESSOA QUE NÃO TENHA A COR QUE ME DEIXA CONFORTÁVEL!

Lembram que a adoção é um recurso que serve aos ADOTADOS e não aos adotantes? Pois é, aqui no Brasil isso fica só no discurso. E essa é a reflexão que os Juízes e demais profissionais (que são em sua grande maioria ESPETACULARES) envolvidos no tema deveriam refletir e pelo menos trazer à discussão.

Entendo bem os motivos de cada adotante… Muitos não querem ter que dar explicações, outros vão temer o preconceito da família ou dos amigos (desculpe, mas então reveja suas companhias), alguns querem “proteger” os filhos de constrangimentos futuros.
Dá pra identificar e até entender os motivos, só não dá pra entender a inércia em não mudar isso AGORA!

Não importa o motivo! A realidade está aí, às claras.

Esse pensamento é realmente uma herança maldita que recebemos, mesmo que de forma inconsciente, mas ele está impregnado no nosso DNA.

O Brasil já tem mais de 500 anos. Quando vamos assumir essa doença e tomas a atitude de amadurecer para nos curar?

Não acredito que o Brasil seja um país racista, mas tenho certeza que vivemos em uma sociedade HIPÓCRITA e IMATURA em todos os níveis.

Pra finalizar, lembra dessa parte do texto aí de cima? “EU NÃO CONSIGO AMAR UMA PESSOA QUE NÃO TENHA A COR QUE ME DEIXA CONFORTÁVEL!”

Não quero estar certo, quero estar em paz com a minha consciência e por isso trouxe a discussão através do meu ponto de vista.

Se você acha que escolher a cor de uma criança vai te fazer um pai ou uma mãe melhor, estou disposto a ser convencido disso pelos seus argumentos.
Por favor, consiga!

Ramon Minarini

Post anterior

Adoção: Anunciando para a família a gestação do coração. Vídeo LINDO!

Próximo post

Adoção: Depoimento de uma filha que foi gerada no coração - por Karina Pupo

Gravidez Invisível

Gravidez Invisível

3 Comentários

  1. julho 17, 2016 em 12:37 pm — Responder

    Muito boa sua reflexão e concordo com seu pensamento…afinal é para quem á adoção?? Ou melhor… vc quer um boneco pra mostrar???

  2. agosto 17, 2016 em 9:51 pm — Responder

    Olá Ramon,

    Respeito seu ponto de vista, mas me permita discordar. Uma das coisas que aprendi nessa vida é o perigo de se julgar, cada pessoa precisa ser franca e reconhecer seus limites, seria muito bom uma realidade cor de rosa, como você bem colocou no seu artigo, mas a vida real infelizmente não é assim.

    Apontar os limites dos outros dá o direito deles apontarem os seus também, seja neste assunto ou em outros, afinal sabemos que como ser humano você certamente tem os seus.

    Você reprime a questão da cor, mas partindo então deste princípio, qualquer restrição de perfil seria questionável. Você teria condições emocionais, psicológicas e financeiras para adotar crianças com doenças graves, algum tipo de deficiência, anencéfalos ou doenças mentais? Na sua linha de pensamento, qualquer filho biológico pode vir com esta condição, portanto quando se vai adotar não seria permitido aplicar este tipo de restrição.

    Entendo que sua intenção é das melhores, mas pior é as pessoas assumirem responsabilidades com as não poderão honrar, ainda mais quando se envolve outro ser humano, geralmente inocente e indefeso. Melhor que elas sejam francas com elas mesmas e adotem, mesmo com restrições, elas já estarão em um estágio muito mais avançado do que aquelas pessoas que simplesmente são aversas a adoção.

    Um abraço

  3. dezembro 29, 2016 em 10:52 am — Responder

    Olá!
    Muito legal suas colocações e concordo com quase tudo. Só não concordo que o Brasil não seja um país racista. Sou branca mas meu marido é negro e vemos preconceito em todos os lugares.
    Espero que as futuras gerações tenha o privilégio de afirmar um dia que o Brasil não será um país racista.
    Sorte para todos nós para que o encontro com nossos pequenos aconteça em breve.
    Muita luz para todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *