Depoimento do leitor

Adoção: “Socialmente ainda não temos a cultura de acolher os pais que acabaram de receber seus filhos pela adoção…” por Renata Françoso

É lá se foram os primeiros 4 meses da chegada do nosso caçula, Luís Henrique!!! A licença está acabando e o coração vai ficando apertado… É hora de deixar o pequeno em uma escolinha… É hora de voltar para a “rotina”…

Aprendi muito nesses meses, que já parecem anos, parece que nosso filho sempre esteve conosco… A chegada de um filho é sempre um desafio, aprender a lidar com as emoções do momento, aprender a dividir o tempo com cada filho, reaprender a não dormir e no dia seguinte encontrar energia para atender os pequenos, que parecem estar ligados no 220v… Realmente é uma grande lição! Sem sombra de dúvidas é o trabalho mais difícil, porém mais glorioso das nossas vidas… Envolve muito amor, muita paciência, muita doação, muita insegurança, muito choro… 

Assim como a chegada do meu primeiro filho, por vias biológicas, senti muito medo, chorei muito, a maternidade tem dessas coisas que ninguém gosta de contar… Ela é exaustiva e ao mesmo tempo esplêndida…

adoçãoA diferença é que, como bem lembrou uma amiga, quando um filho chega por vias biológicas, toda a família se prepara para o período de adaptação da criança, alguém vem nos ajudar nos primeiros dias, ou acampamos na casa de alguém… O que não ocorre quando o filho vem do coração… Socialmente ainda não temos a cultura de acolher essa mãe/pai que acabaram de receber seus filhos, independente da idade que chegam, pois toda adaptação é difícil mesmo… Precisamos criar essa cultura do amor e atender/acolher essas famílias… As dificuldades quando trabalhadas, tornam-se aprendizagens…


É como já mencionei em outra postagem, a colaboração da família e de um grupo de apoio a adoção é fundamental… é fundamental as mães/pais expressarem suas dificuldades, trocarem experiências… Perceberem que é difícil para todos, e isso não significa falta de amor pelos filhos, somos seres humanos e ninguém tem o pó mágico da felicidade…

A maternidade/paternidade não é fácil, mas é divina… A cada dia amo mais e mais os meus filhos… A cada dia quero ser a melhor mãe p eles… Infinitamente agradeço a Deus por esta oportunidade… 
Renata Françoso.

Post anterior

Annie Baracat, colunista do blog conta: "Minha espera acabou."

Próximo post

Adoção & Cristianismo: Saiba por onde começar um ministério com foco nos órfãos na sua igreja

Gravidez Invisível

Gravidez Invisível

5 Comentários

  1. setembro 2, 2016 em 12:23 pm — Responder

    Olá Renata!
    Esta semana meu marido citou exatamente esta situação. Estamos aguardando a chegada de nosso filho…e toda a família e amigos sabem que estamos á espera do nosso milagre… mas raramente alguém pergunta. Parece que adoção é um assunto paralelo, foi assim que ele definiu.

    Abrçs
    Luciana

    • setembro 5, 2016 em 10:10 pm — Responder

      Realmente a maioria das pessoas parece não nos ver… Aos poucos vamos mudando essa realidade e conseguindo, através do nosso amor e depoimento, sensibilizar mais pessoas… Graças a Deus quando os nossos filhos chegam tudo vale a pena!

  2. setembro 2, 2016 em 2:24 pm — Responder

    Eu graças a Deus, minha família toda apoio a minha escolha, minja filha veio de uma forma diferente mas eu glorificado a Deus, por esse momento único que estamos vivendo, minha Malu está com 7 meses depois de 14 de casados hoje posso dizer que estamos muito, muito feliz!

  3. setembro 4, 2016 em 7:58 pm — Responder

    […] semana, lendo uma postagem do Gravidez Invisível (você pode ler o texto original clicando aqui), eu comecei a pensar sobre o quão difícil poderá ser a chegada das nossas […]

    • Profile photo of Gravidez Invisível
      setembro 5, 2016 em 3:31 pm — Responder

      Ótima reflexão! Compartilharei na fanpage! Que Deus abençoe a gestação de vcs. Com carinho, Luciane.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *