Psicologia & Adoção

Adoção – Começando pelo começo.

Quando você pensa sobre adoção qual a primeira coisa que lhe vem à cabeça? Para cada um pode vir uma infinidade de sentimentos, sensações, expectativas e possibilidades. Vamos começar a organizar tudo isso? Como?! Começando pelo começo.

O que significa “adoção” para você? Não pense na resposta que você daria a alguém, pense e sinta na resposta que vem de dentro. O que significa adoção para VOCÊ. Talvez essa resposta não venha de imediato, até porque não existe certo e errado para essa pergunta, existe o que você sente sobre isso. Esse é o começo.

Encontrado o começo, vamos para próxima pergunta: por que você quer adotar uma criança? Novamente parece uma resposta simples. Pense de novo, a resposta pode não ser tão simples assim.  Qual a sua real motivação para adotar: incapacidade de gerar um filho biológico? Desejo de aumentar a família? Acha um gesto bonito? Independente qual seja a sua motivação ela precisa ser sincera e estar clara antes de qualquer passo seguinte.

Assim como qualquer gestação, quanto mais desejado e planejado for um filho, melhor para todos. A grande diferença é que nenhuma adoção chega de surpresa. Na adoção não há escolha: é preciso planejar. Existem passos burocráticos a ser seguidos exigindo dos pais um planejamento diferente de uma gravidez biológica. A espera e a chegada do filho adotivo envolvem questionamentos, sensações e sentimentos diferentes de uma gestação (falaremos disso no próximo texto), por isso é importante que você esteja preparado para lidar com tudo isso.

Não há mal nenhum em se questionar, em pensar de novo, e de novo, e de novo. Os motivos que vem de fora passam, mas a certeza que vem de dentro é o que lhe dará suporte para lidar com as milhares de sensações e sentimentos que esta nova vida lhe trará. Esse é apenas o começo, por isso, pense, repense, questione e, principalmente: sinta a adoção dentro de você!

 Lívia Oliveira – Psicóloga

Dúvidas e perguntas no Consultório Virtual

Post anterior

Não há mais história.

Próximo post

Livro >> O livro da família (exemplo de adoção)

Lívia Oliveira

Lívia Oliveira

Psicóloga (CRP 07/18713) formada pela PUCRS, com formação em Psicoterapia Humanista (Ser & Existir – Centro de Estudo da Pessoa/RS). Atua na área da Psicologia Clínica atendendo individualmente a crianças, adolescentes, adultos e terapia de casal. É colaboradora do blog Gravidez Invisível.

6 Comentários

  1. março 21, 2016 em 1:02 pm — Responder

    Livia, nunca soube responder porque quero adotar… É um sentimento que tenho, é uma necessidade íntima, como a vontade de ser mãe que muitas mulheres tem, eu tenho a vontade de adotar… mas como disse, é necessário planejamento e para tal só espero ter minha casa para poder começar a burocracia documental. Adorei seu texto.

  2. agosto 23, 2016 em 9:13 am — Responder

    Queria achar uma psicologa que entendesse deste assunto aqui em São Paulo.
    Dizem que o segredo é saber fazer as perguntas certas né. O porquê eu desejo adotar, minha resposta sem pensar seria… Porque quero ser mãe. Resposta errada, provavelmente né.

    enfim… adorei o texto.

  3. março 25, 2017 em 9:19 am — Responder

    Sou estudante do Mestrado de Educação e Sociedade no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa e para a concretização de minha tese venho pedir a vossa colaboração.

    O tema da minha tese é:

    “Adopção: processos educativos em Famílias com filhos biológicos e adoptivos”.

    Com o objetivo de perceber se como as famílias gerem a educação dos filhos.

    Assim para a realização da mesma, precisarei de fazer entrevistas:
    As famílias adotivas, mas que tenham filhos adotivos e biológicos.
    Bem como aos filhos biológicos e adotivos

    As famílias que estejam dispostas a ajudarem-me, enviem me um e-mail com para o seguinte e-mail.

    Email: tesemestradoadopcao@gmail.com

    Quando tiver o guião de entrevista feito envio.

    Obrigada a todos pela colaboração 😀

    Após a conclusão da minha tese deixarei- a aqui disponível 😉

    • Profile photo of Gravidez Invisível
      junho 21, 2017 em 11:06 am — Responder

      Oi Helena, conforme falamos, divulguei no blog, bom trabalho!

  4. maio 3, 2017 em 12:04 am — Responder

    Eu quis adotar porque após 3 anos de união estável, conseguimos montar uma linda casa própria com tudo que tiamos direito, estávamos muito felizes, Mas faltava alguma coisa. Nossa casa era linda mas não tinha jeito de lar… Havia tipo um espaço vazio qdo na verdade, está tudo muito arrumadinho e em seus lugares. Então sentimos vontade de dar vida aquele lar tão arrumadinho, e adotamos nosso primeiro filho, que após alguns meses, nosso filho pós som, movimento e vida não só na casa como mais vida em nossas
    vidas. Somos muito agradecidos a Deus por este presente divino que nos foi dado. Nosso Filho! Hoje com 29 anos e já nos deu 2 netinhos.

    • Profile photo of Gravidez Invisível
      junho 16, 2017 em 12:58 pm — Responder

      Parabéns 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *