Psicologia & Adoção

Adoção e as diferenças físicas: como lidar?

Um dos grandes momentos na chegada de um filho é conhecer seu rostinho. Ver com quem se parece, se puxou mais à mãe ou se é a cara do pai. Mesmo que na maioria das vezes se conclua que ele é muito mais parecido com um joelho (o mais lindo do mundo) do que qualquer outra coisa, não importa, a expectativa é grande!

Na gravidez invisível há a mesma curiosidade, mas com uma pitada a mais de emoção, já que não se tem ideia de como será seu filho. As características físicas parecem ser um detalhe tão pequeno diante da vontade de ter seu filho que muitas famílias não param pra pensar, realmente, nisso. Claro que você não irá amar menos ou mais o seu filho por causa de cor e traços diferentes dos seus, mas é sim importante pensar (realmente) nisso e vou explicar por quê.

A realidade de que seu filho terá características físicas diferentes das suas tem que estar muito bem acomodada internamente, pois muitas vezes temos que lidar com perguntas e até mesmo preconceito e se isso não estiver bem resolvido será bem mais difícil.

Outro ponto importante é o processo de identificação da criança. Os pais são como um espelho e quando as diferenças físicas são muito grandes é preciso dar um suporte para que a criança assimile isso e possa se identificar de outras formas. Dar um suporte é proporcionar ao seu filho uma relação onde haja espaço para questionamentos e diálogo, independente da idade da criança. É fundamental que as dúvidas sejam sempre respondidas. Não falar sobre determinado assunto não ajuda em nada. É importante que se acolha com carinho todos os questionamentos da criança e aos poucos ela irá se identificando de outra forma que não as físicas, como por exemplo: “gosto de futebol igual ao meu pai”, “minha risada é igual a da minha mãe”, “choro quando estou bravo igual ao meu irmão” e por aí vai…

Quanto mais tranquilo e seguro você estiver em relação à isso, mais facilmente conseguirá lidar com qualquer dificuldade que possa aparecer e mais natural será para o desenvolvimento do seu filho. Afinal de contas, as características físicas são só um detalhe diante do amor por um filho.

Lívia Oliveira

Psicóloga

Post anterior

Adoção: SporTV Repórter: O filho do coração - 20/12/2015

Próximo post

Dicas de especialista para amamentação na maternidade através da adoção

Lívia Oliveira

Lívia Oliveira

Psicóloga (CRP 07/18713) formada pela PUCRS, com formação em Psicoterapia Humanista (Ser & Existir – Centro de Estudo da Pessoa/RS). Atua na área da Psicologia Clínica atendendo individualmente a crianças, adolescentes, adultos e terapia de casal. É colaboradora do blog Gravidez Invisível.

2 Comentários

  1. junho 20, 2016 em 8:18 pm — Responder

    Não existe diferença quando existe amor!! Minha gravidez invisível me trouxe uma Linda menina com Down, a escolha foi dela e não nossa! Se as pessoas escolhessem menos e aceitassem mais, teríamos muitas mães com gravidez invisível já concretizada!!!

    • Profile photo of Gravidez Invisível
      junho 21, 2016 em 9:22 am — Responder

      Que linda história Camila! Se quiser compartilhar aqui com o pessoal me envia o seu relato e alguma foto para luciane@gravidezinvisivel.com obrigada e beijos Lu 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *