Psicologia & Adoção

A gravidez invisível e seu “pré-natal”

Enjôos, desejos, seios, barriga… Não, nada disso. Na gravidez invisível os sintomas surgem em um único lugar: na cabeça. Não existem sintomas físicos para ajudar a “cair a ficha” da futura mãe. Já que não há motivo físico para cuidar durante a espera, o pré-natal tem como foco a cabeça da mãe e da família que irá receber o filho tão esperado.

Existem milhões de dúvidas, expectativas e fantasias em relação ao filho que está por vir e é muito importante que a família esteja preparada para lidar com esta espera. O diálogo aberto e franco com a família (e consigo mesma) é fundamental. Converse, desabafe, questione, escute, enfim, coloque para fora tudo aquilo que lhe aflige. Guardar tudo pra si não é uma boa ideia. Muitos sentimentos vem à tona nesta fase e tentar dar conta de tudo sozinha pode ser bastante pesado.

A psicoterapia é muito bem vinda neste momento. Pense nela como seu pré-natal para organizar todos os sentimentos e sensações que surgem durante a espera. Mas se a opção pela ajuda profissional não está nos seus planos, cuide-se de outra forma. Leia, converse, informe-se! Se sinta preparada para receber seu filho, pois quando ele chegar será dada a largada para outra linda jornada: a construção, de fato, de uma nova família.

Boa sorte e até a próxima!

Lívia Oliveira
Psicóloga: CRP 07/18713

Post anterior

Quando desacelerar é preciso

Próximo post

Parabéns, você está “grávida do coração”!

Lívia Oliveira

Lívia Oliveira

Psicóloga (CRP 07/18713) formada pela PUCRS, com formação em Psicoterapia Humanista (Ser & Existir – Centro de Estudo da Pessoa/RS). Atua na área da Psicologia Clínica atendendo individualmente a crianças, adolescentes, adultos e terapia de casal. É colaboradora do blog Gravidez Invisível.

2 Comentários

  1. janeiro 18, 2016 em 8:33 am — Responder

    Adoro este site pois esclarece muitas dúvidas que tenho.
    Obrigada.
    Gostaria de saber algo tipo como lidar TB com os parentes neste caso de adoção.
    Eu e meu marido estamos na fila já fazem um ano e estamos ansiosos para a grande chegada.

  2. dezembro 29, 2016 em 9:39 am — Responder

    Olá! Gostaria de uma ajuda, quero fazer minha monografia sobre adoção do coração e não consigo literatura suficiente para o tema; também dentro desse trabalho quero fazer entrevista e gostaria de saber que tipos de perguntas uma grávida do coração gostaria de responder e sua família da gestação ao nascimento do filho. Será que alguém pode me ajudar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *